Buscar
  • Paula Caputo

AMOR-PRÓPRIO O TERMÔMETRO DO BEM-ESTAR


Sempre que falo às pessoas em meus atendimentos que elas são “a pessoa mais importante das suas vidas”, elas primeiramente aceitam com a cabeça e logo em seguida questionam.


Mas, Paula…. Isso não é egoísmo?


Não, definitivamente não. Porque o fato de querermos o melhor para nós, não implica em querer o mal do outro, apenas reconheço que também sou merecedora de coisas boas.


Apesar de muitas vezes, superestimarmos ou subestimarmos os outros, na realidade está todo no mesmo patamar de igualde, somos humanos e temos o mesmo valor.


No Brasil, temos uma cultura muito forte que se baseia no “outro”. Frases do tipo, “receberemos visita, vamos usar a melhor louça”, “o primeiro pedaço, o mais suculento será da visita” entre tantas outras, acredito que você conheça várias frases desse tipo.


E, assim de uma forma não verbal “o exemplo” é sempre o melhor exemplo, entendemos que o outro merece mais do que nós e, acabamos por nos contentar com menos.


Uma xícara lascada, uma camiseta surrada, um chinelo meio capenga quem não têm?!


O problema não é ter essas coisas, eu mesma tenho camisetas que são meu xodó, o problema é quando você não se permite ter outra melhor. Pensamentos do tipo, porque vou gastar comigo, se essa camiseta/xícara/chinelo ou o que for ainda pode ser usado.


A questão aqui é que você vai esquecendo o prazer de se agradar, de se acolher, de se dar atenção, de se amar. Se seu filho pede uma camiseta de super-herói, acredito que a probabilidade de você comprar a tal camiseta será bem grande, pois você imagina a felicidade do seu filho em vestir e exibir a tal camiseta – então, porque raios você pensa diferente quando se trata de você?!


Amor-próprio ou autoamor nada mais é do que aquele “se permitir” que dá um calorzinho no coração, sabe?! Não precisa ser um restaurante caro, mas uma comida que lhe preencha a alma, uma companhia agradável, a roupa que lhe devolva o conforto de um dia cansativo ou o travesseiro que lhe devolva a paz.


Em suma…. Tudo aquilo que lhe faça bem – podem ser coisas, pessoas ou situações, basta que lhe aproximem da pessoa que você é.


* Texto originalmente publicado na Revista Statto em < https://revistastatto.com.br/bem-estar/razoes-de-viver/amor-proprio-o-termometro-do-bem-estar/>, publicado em 07 de julho.

3 visualizações

(51) 995 666 999

©2019 by Paula Caputo. Proudly created with Wix.com